Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Possuir ou usufruir. Onde está a diferença.

Uma das maiores dificuldades é perceber que a utilização é bem diferente de possuir um bem. Raramente é melhor possuir do que poder simplesmente utilizar.

Usufruir é o que as pessoas realmente querem, mas a sociedade exerce pressão para as pessoas possuírem e comprarem. Assim compram o que precisam e o que não precisam.

  • Possuir: ser proprietário
  • Usufruir: ser utilizador

Vantagens do usufruto

Poder utilizar um bem sem o ter, tem muitas vantagens. Não se sofre do impacto da desvalorização dos bens. Menores responsabilidades financeiras e por vezes também não existe a necessidade de pagar impostos.

Assim usufruir de um veículo automóvel é bem melhor do que tê-lo. A cedência pode ser a título temporário, por exemplo carro de serviço da empresa ou no caso de filhos a utilização do automóvel dos pais. Utiliza-se mas todos os custos são da responsabilidade do proprietário.

A criação de um negócio próprio tem como um dos benefícios a utilização das suas viaturas, o que se traduz num ganho e num argumento de incentivo à sua criação. Podendo amortizar-se o custo da aquisição e também outros custos.

Na utilização de uma habitação também é muitas vezes preferível tê-la em regime de arrendamento, para além dos impostos que não se pagam e que são da incumbência do proprietário, também é ele o responsável pelo pagamento das quotas de condomínio, impostos autárquicos e ganha-se tempo já que não é necessário ir a reuniões de condóminos nem é preciso fazer obras de manutenção no edíficio. Utiliza-se apenas, podendo mudar-se assim que se queira já que não terá de vender, nem comprar. Não ganha, mas também não perde.

Também na mesma óptica é preferível que a piscina e/ou barco pertençam a amigos do que adquirir um destes bens visto que a manutenção é bastante dispendiosa!

O que possuir

Num ponto de vista económico e materialista: pessoalmente, quero apenas ser detentor de direitos sobre activos que geram rendimentos. Claro que é importante ter riqueza na sua amplitude total.

Um dos maiores erros

Geralmente as pessoas pensam que têm de possuir as coisas para as utilizarem. O individualismo e o consumismo vieram apenas mudar a forma como as pessoas gerem as suas riquezas. Antigamente partilhavam-se as coisas. Ainda é comum nas aldeias a compra de equipamentos partilhados, para além do custo ser inferior, já que é dividido também se tira maior proveito do bem. Exemplo: máquina de limpar azeitona, máquina de extracção de mel, etc.

Porque é que todos precisam de ter um canal desportivo pago num mesmo prédio? Porque não partilhar com os vizinhos, fomentando o convívio com a vizinhança. Em vez disso ou possuem os ditos canais ou se vai até um café que transmita esse evento desportivo e contribuir para a economia local. Se beber 2 imperiais por jogo (2€), e for ver 4 jogos, vê os jogos da sua equipa por 8€. É um terço da mensalidade do canal desportivo.

Só o usufruto trás a possibilidade de utilizar os bens sempre novos sem necessidade de andar sempre a comprar e a vender.


Siga-nos também em Follow

Comentários

  1. Isabel Teixeira diz:

    Boa tarde,

    Gostaria de saber se me pode dar alguma informação relativamente ao seguinte: tenho intenções de abrir uma loja de calçado infantil mas surgiu a ideia de partilhar o espaço de uma loja já existente, esta de roupa infantil. À primeira vista parece existir algumas vantagens, divisão de despesas (renda, água, electricidade) e o facto de serem dois negócios que se complementam, a verdade é que não sei como se trata das burocracias ou mesmo se será possível uma situação destas. A pessoa da loja existente também se mostrou interessada.

    Aguardo uma resposta deixando os meus sinceros cumprimentos.

  2. isabel Teixeira diz:

    Bom dia, será que pode responder à minha questão?

    Obrigado

  3. Nuno diz:

    Olá Isabel Teixeira

    Acho que não posso ajudar, por isso não respondi.

    A questão não é fácil de responder, será apenas uma empresa, ou 2 empresas. Cada pessoa com sua.

    Se for 1 empresa é fácil, basta entrar no capital da empresa existente.

    Se forem 2 empresas distintas, então o melhor é falar com o seu Contabilista ou o seu Advogado. Pois não sei se existe impedimento legal.

    Votos de sucesso