Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Rendimentos constantes versus mais valias

Os investimentos podem gerar resultados pela forma de mais valias ou rendimentos constantes. As 2 classes de investimentos que se podem fazer incluem sempre uma dos resultados enunciados. Os investimentos que originam rendimentos contanstantes são mais indicados para quem está a começar a investir, são úteis para a obtenção da independência financeira. Já as mais valias advêm da liquidação (leia-se venda) de património, mas existem excepções.

Sendo grande a diferença entre estas 2 formas de investir, é que uma permite a acumulação de capital e faz crescer o património de forma gradual ao passo que a outro as entradas de capital são exporádicas e podem ser vertiginosas. Nos rendimentos constantes, temos por exemplo: remunerações de trabalho, dividentos, rendas de edificios ou terrenos, juros de aplicações, pensões e prestações de seguros. Já os rendimentos provenientes de mais valias são sempre conseguidos no acto de venda, seja acções, imobiliário, empresas, activos financeiros, obras de arte, etc. As prestações de serviços são um rendimento constante, embora não sejam regulares. Só se têm mais valias na alienação de património.

Rendimentos constantes

A forma mais comum de ter rendimentos contantes por determinado periodo de tempo é o trabalho assalariado, através do vencimento mensal. Mas existem muitas outras formas de ter um fluxo constante de rendimentos na conta bancária. Arrendamento, actividades comerciais rentáveis e aplicações financeiras com distribuição de rendimentos: obrigações, fundos de investimento, acções de empresas que paguem dividendos, depósitos a prazo e dívida soberana. Aqui não importa muito a periocidade do recebimento mas sim a sua geração.

Para que não existão problemas de liquidez e falta de dinheiro é bom que estes sejam repartidos por várias maturação em diferentes horizontes temporais, até para uma melhor organização e disciplina de gastos.  São estes rendimentos que devem ser utilizados no dia-a-dia.

O imobiliário gera rendas contantes se optar por rendibilizar o património através de arrendamento. Existe a imprevisibilidade do recebimento das rendas.

Os negócios empresariais geram rendimentos anuais através dos resultados liquidos, nem todos! Existe um grande incerteza quando ao que se pode atingir, e o risco a que se está sujeito, mas é onde com um valor menor de investimento é possivel atingir rendimentos mais elevados.

Os rendimentos constantes dão uma forte componente de confiança e estabilidade ao investidor, já que lhe permite enfrentar negócios e investimentos com um maior risco e sem pressão de venda. Geralmente os investimentos que proporcionam rendimentos constantes têm um menor risco e também um rendibilidade inferior.

Mais valias

As mais valias ocorrem no momento da alienação de património ou direito, a diferença entre o valor de compra (pode ser ajustado) e o valor de venda gera um resultado. Se for positivo é uma mais valia se for negativo é uma menos valia.

Alienar património pode ser uma forma de aquirir outros bens, nos investimentos de curto prazo em bolsa, damo-nos conta desse príncipio, com a compra e venda regular de posições em empresas cotadas. Se uma empresa cotada não distribuir dividendos só através da venda se podem conseguir ganhos financeiros.

Por exemplo o investimento directo em ouro é um dos casos típicos que se ganha ou só se perder no momento da venda. Existe um conjunto de activos que tem o mesmo denominador comum: arte e imobiliário, exceptuando o arrendado.

Os rendimentos provenientes de mais valias deverão ser reinvestidos para proporcionar novas mais valias, criando assim um ciclo de investimento e de rotação de activos.

Os terrenos são bens que conseguem multiplicar o seu valor muito rapidamente, especialmente se se comprar um terreno agricola e este passar a ser terreno urbano ou industrial!

Todas as formas de ganhar dinheiro são boas, fazer um mix ou diversificar é quase sempre boa ideia para proteger o futuro, e não ficar condicionada perantes situações menos favoráveis sejam económicas ou conjunturais. Geralmente os ganhos conseguidos através demais valias são consideráveis muito devido ao risco que envolvem.

Conclusão

As mais valias podem proporcionar grandes margens, mas existe a necessidade de alienar activos que até poderiam valorizar, os rendimentos constantes são óptimos na estabilização das finanças pessoais, já em termos de rendibilidade ficam muito aquém do que pode ser conseguido através de mais valias em outros investimentos.

Os rendimentos têm de vir de algum lado, ter um bocadinho de cada é uma boa estratégia de diversificação.

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.