Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Razões para investir em Angola

As razões que nos levam a investir são a rentabilidade do negócio, o crescimento do mercado, as condições oferecidas pelo meio macroeconómico ou mesmo as iniciativas viradas para a inovação e o desenvolvimento de novos produtos para o bem-estar do ser humano.

Angola sendo um mercado em franco crescimento, podendo também ser considerado emergente, é ideal para ser explorado e aproveitado, contribuindo deste modo também para o seu próprio desenvolvimento.

As grandes razões para investir em Angola:

  • O crescimento económico (com taxas a rondar os 2 dígitos);
  • A demografia (população crescente, nível de vida cada vez maior, mudanças sócio-culturais);
  • A carência de infra-estruturas faz com que o governo invista cada vez mais em sectores estruturantes;
  • A expansão do consumo privado com a melhoria do nível de vida da população;
  • Os recursos naturais existentes que fazem com que o Governo os transforme em riqueza para a população;
  • As políticas de incentivo (sobre o investimento que vão dos 1% aos 50%, algumas isenções e reduções na área tributária) e protecção de investimentos (direito pela propriedade privada e garantias ao investidor);
  • A disponibilização de mão-de-obra barata e jovem;
  • A facilidade de aquisição de matérias-primas a um preço baixo;
  • A reestruturação das alfândegas estando uma empresa Britânica de renome mundial a efectuar mudanças para o aumento da confiança e da credibilidade;
  • A sua localização estratégica em relação aos mercados da África Central e Austral;
  • A facilidade da língua e dos laços históricos para o caso de Portugal;
  • As mudanças nas políticas económicas relativamente à economia de mercado.

Como em qualquer projecto de investimento as dificuldades e incertezas existem, e Angola não foge a regra, e poderão ser maiores em determinados sectores, mas é preciso arriscar para prosperar, investir. Sem investir não se pode ganhar.

Este artigo foi redigido por: Rui Pequenino

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.