Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Planos Poupança Reforma com novas regras

Com a entrada em vigor do novo ano, os Planos Poupança Reforma sofreram algumas alterações no que respeita aos benefícios fiscais a declarar em IRS.

O Orçamento de Estado, aprovado em Dezembro último, altera o limite máximo de dedução à coleta de €400 para €100. Este valor máximo fica também condicionado aos rendimentos do segurado. Ou seja, como poderemos analisar mais à frente, mediante os seus rendimentos anuais poderá ou não ter direito a este beneficio. Desta forma se os seus rendimentos colectáveis forem superiores a €153.300,00 não terá direito a redução do imposto a pagar. Se pelo contrário os seus rendimentos forem inferiores a €18.375 poderá deduzir até €100.

Como a taxa dos benefícios fiscais dos PPR se mantém bastará, consoante o seu rendimento, investir €500,00 para usufruir de €100.

O valor a abater dependerá do seu rendimento da seguinte forma:

  • Rendimento coletável até €18.375 poderá abater €100
  • Rendimento coletável até €42.259 poderá abater €80
  • Rendimento coletável até €61.244 poderá abater €60
  • Rendimento coletável até €153.300 poderá abater €50

Por seu lado, as regras para resgatar o seu PPR sem qualquer penalização mantêm-se. Só o poderá fazer se tiver atingido os 60 anos (desde que o contrato tenha no mínimo 5 anos de existência) ou a idade da reforma por velhice, se sofrer de uma doença grave, estiver incapacitado permanentemente para o trabalho ou morte.

Apesar das reduções no que toca aos benefícios fiscais o PPR continua a ser uma ótima arma para amealhar um bom pé de meia. As taxas são bastante atrativas e, em muitos casos, mais elevadas que as dos depósitos a prazo. Neste momento de crise não deixe, por isso, de continuar a investir nos PPR.

O início do novo ano trouxe igualmente o uso do novo acordo ortográfico. No Mediador.pt pretendemos informar e estar informados. Não estranhe por isso as supressões de certas letras ou outras alterações impostas pelo novo acordo.

Na hora de subscrever o seu PPR nunca é demais relembrar: compare taxas e condições. Fale com o seu mediador e opte pelo melhor. Lembre-se que o verdadeiro objetivo do PPR é poupar para a reforma.