Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

O trabalho motiva

trabalharTrabalhar é muito mais do que estar ocupado. É desenvolver tarefas que nos motivam, mesmo que essa motivação seja apenas financeira, quando ocorre num trabalho por conta de outrem. Se a pessoa não gosta do que faz, aí vai ser um tormento, mas quando se faz o que se gosta ou consegue-se ficar feliz por desempenhar um papel numa organização, aí sim, existe um fundamento para o investimento de tempo na realização de algo. Fazer o que se gosta também é motivador, mas pode não ser suficiente.

Quem não encontra satisfação num emprego, pode trabalhar para si próprio, mas horas que sobram do dia. Fazer algo que se gosta é sempre uma boa ideia. Trabalhar no que se gosta faz desaparecer ideias de reforma. Já pensou que as pessoas mais ricas de Portugal e do mundo continuam a trabalhar. Trabalham por gosto, pois por dinheiro não será de certeza. Na maioria das vezes trabalham num negócio que eles mesmo criaram ou num negócio de família que desenvolveram.

o trabalho acrescenta motivação, e a motivação faz-nos trabalhar mais.

Existem diversas formas de obter motivação, a satisfação pessoal por realizar coisas, iniciar, desenvolver ou terminar tarefas podem ser elementos condutores da motivação, mas também quem se motive pelas recompensas, sejam elas bens materiais ou outros, bem como reconhecimento social. As recompensas materiais motivam grande parte das pessoas, já escrevi sobre isso neste artigo.

“Quanto menos faz, menos quer fazer” A expressão popular anterior é bem verídica, por experiência própria, quando falta motivo para a acção (motivação) é comum não produzir nada. Assim o tempo passa e quando se chega ao fim do dia e nos perguntamos: o que fiz eu hoje? Se a resposta não nos satisfaz porque não realizamos o que nos propomos, poderemos ficar em modo down. Isso não é bom! Se bem que se consiga utilizar dias menos bons para nos motivarmos, tal como referido no artigo 3 formas de nos motivarmos.

Quanto mais faço, mais quero fazer

Esta é uma realidade vivida na primeira pessoa, depois de entrar em acção, fico super motivado para desenvolver coisas. Seja escrever um artigo ou dar mais um avanço no meu projecto. A verdade é quanto mais trabalho mais vontade tenho de trabalhar. Pois aproximo-me mais das minhas ambições e dos meus objectivos pessoais. A concretização das pequenas metas do dia-a-dia irão permitir atingir o que ambiciono. Por vezes o caminho é longo.

O segredo está em começar

Não sou especialista em motivação, mas é facilmente percebido que quando ligamos os motores é mais fácil avançar. Com os motores desligados, ficamos estáticos. Quando pretendo realizar uma tarefa, gosto de a ver terminada, isso dá-me energia para resistir a distracções ou mesmo enfrentar os desafios com mais determinação. Chegar ao final do dia cansado, mas com trabalho realizado é uma forma de satisfação pessoal. Fico motivado quando consigo ser produtivo, e fico super motivado quando sou altamente produtivo.

Por norma o dia que consigo fazer mais é logo nas segundas-feiras, pois no fim de semana disponho de tempo para pensar, pensar no quero fazer logo que a semana começa. Outro dia, que normalmente me permite desenvolver diversas tarefas é a sexta-feira, pois regra geral nos fins de semana são descontraídos.

Não desistir

Não existe mal em desistir, pode ser até uma forma inteligente de contornar obstáculos. É verdade que por vezes as pessoas desistem mesmo quando estão próximo do fim. Mas se for estratégico não tem mal nenhum. Desistir de umas coisas, empenhando-nos em outras. Mesmo quando o conjunto de tarefas é alargado, ao invés de desistir, pode simplesmente fazer-se uma pausa. Uma pausa significa que passado um espaço de tempo, vamos continuar.

Se existem quem defenda que não se deve desistir, existe também quem defenda o contrário, desistir do que não interessa e apostar em algo maior e melhor. O que interessa realmente é desenvolver acções que nos satisfazem enquanto pessoas. Criar motivação, para fazer o que nos faz feliz ou realiza.

Por vezes as pessoas não terminam as coisas, desistem antes de alcançar as metas. Se desistir por vezes até é uma boa opção, desistir de uma ideia menos boa para se focar numa ideia melhor, a verdade é que não se pode estar sempre a desistir. Importa por isso, pensar e planear onde vamos investir o nosso tempo, de modo a podermos alcançar a satisfação que ambicionamos.

A vida é por vezes aquilo que queremos que seja. Tudo depende de nós.

Comentários

  1. David Rufino diz:

    Concordo! Quem gosta do que faz, não precisa de férias!