Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

O grátis como estratégia de negócio

Existem muitos tipos de modelos de negócio, cada um com as suas características e vantagens, muitas são as formas de abordar o mercado. Contudo, um dos modelos de negócio ou estratégias que tem vindo a crescer mais nos últimos anos é precisamente o modelo que apresenta algo grátis para o consumidor.

Existem muitas formatos do modelo grátis como vamos ver a seguir. Resumidamente, o que interessa é provocar uma acção através do apelo à emoção das pessoas. O poder do grátis influencia comportamentos.

O grátis será o apelo que permitirá realizar uma venda posteriormente. Esta fórmula de levar as pessoas a realizar determinada tarefa, é utilizada nos negócios tradicionais para o lançamento de novos produtos e serviços, mas cada vez se vê mais a utilização da gratuicidade no modelo de negócio corrente das empresas.

O consumidor, gosta de descontos, ofertas e promoções. A palavra GRÁTIS provoca no consumidor um desejo, uma motivação para aceder a esta oferta.

Tipos de grátis

Muitos são os modelos que incluíram esta palavra nos seus argumentos de venda por exemplo: tenha aconselhamento gratuito, seja em produtos financeiros ou em rastreios médicos, pois a venda ocorre num momento posterior. Assim o consumidor ao fazer um rastreio visual e concluir que necessita de uns óculos, provavelmente vai adquiri-los no estabelecimento que lhe ofereceu ou realizou o exame. Nada de errado, pode dizer-se que é vantajoso para o consumidor e é uma óptima estratégia de vendas.

Existem muitas formas de incluir esta palavra chave na estratégia do negócio, existem até negócios que são totalmente gratuitos para o consumidor e a retribuição ou proveitos da empresa são canalizados para uma entidade diferente. Por exemplo os jornais gratuitos. O modelo de negócio é oferecer informação  e vender publicidade, assim permite atingir um enorme quantidade de pessoas (cobertura) o que é um forte argumento de venda de publicidade aos anunciantes. O leitor não necessita de comprar o jornal para este ser rentável.

A própria internet assenta muitas vezes neste conceito, o Facebook por exemplo é gratuito para todos, as suas receitas decorrem da venda de publicidade. Muitos poderiam ser os exemplos de negócios de internet que utilizam esta forma de ganhar dinheiro.

Grátis por tempo limitado

Na informática existe muitas vezes o teste grátis de software por determinado período de tempo, após essa fase experimental do produto terá de se adquirir a licença para poder continuar a utilizá-lo. Um pouco como o testdrive está para a compra de automóveis ou motos.

Se este modelo de negócio pode até ser enquadrado numa estratégia de Marketing de uma empresa pouco ou nada tem a ver com a oferta de produtos ou sampling com habitualmente é apelidado. Embora o modelo de negócio possa ser semelhante, a ideia é oferecer algo, nem que seja uma simples experiência ou contacto com os produtos ou serviços da empresa.

As estratégias de venda vão evoluindo, e a internet é o espaço indicado para testar negócios, por exemplo a venda de cursos online centra-se cada vez mais na oferta de alguma informação e após isso fazer a venda da totalidade do curso ou ebook. Os primeiros capítulos são gratuitos para despertar a atenção e curiosidade, nada mais do que isso. Nas versões mais elaboradas existe a criação de uma relação com o leitor de forma a potenciar as vendas, esta relação é muitas vezes criada através de videos.

Grátis ou pago

Uma outra forma de abordar o mercado é possibilitar a escolha, entre versões grátis e versões pagas, evidentemente que quando se paga ter-se-á vantagens face à versão grátis, por exemplo o caso dos sites para criar sites gratuitos. As empresas querem vender, e para isso acontecer por vezes é boa política oferecerem algo, como forma de trazerem potenciais clientes, pois quem procura o serviço gratuito possui uma necessidade, que poderá posteriormente ser satisfeita através de uma solução mais completa, na realidade o que interessa mesmo é vender.

Investir no grátis

Nem sempre oferecer custa dinheiro, mas por vezes é necessário um investimento para suportar a actividade, especialmente em actividades recentes, assim nem todos conseguirão proporcionar algo grátis de forma continuada se não dispuserem de capital suficiente, o fundo de maneio.

Se um empresa oferece sites gratuitos e sites pagos, se apenas conseguir criação de sites gratuitos depressa irá à falência, a menos que coloque publicidade paga nos sites construídos, mas se conseguir vender alguns serviços, poderá nem necessitar de colocar publicidade externa à empresa nos sites gratuitos.

Quantidade de grátis

A quantidade de grátis pode ser um bomba de marketing e simplesmente rebentar com a concorrência, se um concorrente decide oferecer o mesmo produto ou serviço, será natural que a quebra das vendas da concorrência seja enorme. Dependendo sempre da procura base deste bem. Se uma loja de bicicletas decidir oferecer na inauguração da loja, 100 bicicletas, pode provocar a concorrência, mas se oferecer 1.000 vai com certeza enfurecer a concorrência, mas se oferecer 10.000, provavelmente arrasa a concorrência. (este foi apenas um exercício especulativo).

O grátis pode ser uma arma de Marketing muito perigosa, que pode provocar acções virais e incontroláveis.

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.