Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Furo artesiano versus barragem

barragemUma das obrigatoriedades de uma exploração agrícola é a gestão da água. Existem parcelas de terrenos agrícolas que usufruem de canais de irrigação públicos, existem também terrenos onde existem nascentes de superfície ou baixa profundidade, nestes casos é mais fácil.

Na generalidade dos terrenos a captação ou retenção de águas ocorre por outras vias, é aqui que surgem os furos e as barragens.

Não existe uma resposta certa, na escolha do sistema de captação e/ou retenção de água, dependerá sempre do local.

Qualquer dos sistemas são regulados ou regulamentados, existe a necessidade de obtenção de licenças. No caso particular dos furos artesianos, e como se utiliza recursos naturais que são de todos, existe um imposto associado (apesar de ainda não ser muito frequente a sua apresentação para liquidação).

Furos artesianos ou furos de água

É o sistema mais utilizado nos últimos anos para captar água, recordo que antigamente se faziam poços e minas, o que basicamente seria escavar até ao veio de água. Existem situações onde ainda existe a possibilidade de encontrar veios de água à superfície (acho eu). Mas no decorrer dos últimos anos e com a proliferação de furos artesianos, as linhas de água foram “secando”.

Antigamente uma pessoa fazia um furo com 30 metros de profundidade e tinha água, depois o vizinho fazia um furo com 60 metros e ficava com a maior parte da água e, para concluir o raciocínio, um outro vizinho fazia um furo com 100 metros de profundidade, e os primeiros ficavam com muito menos água.

Por aqui vemos que a sustentabilidade de um furo artesiano pode não ser muita, é verdade que existem regras, nomeadamente a distância entre furos, mas até nisto é necessária alguma sorte, não interferir com os investimentos dos vizinhos e nem ter vizinhos que necessitem de água.

As empresas de sondagens, pesquisam pelo veios de água e realização a perfuração do solo, bem como instalam os equipamentos para captação da água. Estas entidades tratam de tudo, para que tudo fique dentro do normal e legal.

A grande vantagem dos furos artesianos é que em pouco espaço ocupado é possível retirar grandes quantidades de água, importa também referir que no verão a água disponível é menor. Pode ser necessário adicionalmente uma solução de armazenamento de água em reservatórios para os tempos de maior necessidade.

Um furo de água tem um preço de 30 a 35€ por metro de profundidade. Em termos de custos iniciais, fazer um furo artesiano ronda um investimento de 5000€.  Onde 3500€ serão despendidos na perfuração, considerando uma profundidade de 100 metros e por um pouco mais de 1500 consegue-se comprar a bomba submersível e a sua instalação.

Barragens

Uma barragem é um reservatório de água de grandes dimensões, as barragens podem reter muitos milhões de litros de água e são um sistema de retenção de águas também muito utilizado. Genericamente, o investimento associado à construção de uma barragem é menor do que investir num furo artesiano. Depende da dimensão da barragem e do tipo de solo que existe. Existe o risco do solo não reter a água.

A grande vantagem de uma barragem que retenha as águas, é que estas provêm das chuvas, logo é uma utilização mais responsável, pois na verdade apenas se conserva a água durante algum tempo e depois segue o seu ciclo natural.

A grande desvantagem das barragens é que necessitam de uma espaço considerável de terreno para a sua construção.

Uma solução também possível

A construção de tanques ou reservatórios em betão ou com sistemas soterrados de retentores de água. Pode-se aproveitar a chuvas através de telhados e canalizar a água para essas soluções. No entanto para quantidades de água elevadas pode possuir um custo elevado. Limpar sistemas soterrados também me parece um grande desafio.

A minha experiência

O tema da água para regar a minha plantação nem se colocava, estava decidido a fazer um furo artesiano. Teria o meu problema resolvido, pensava eu.

No meu caso particular (para o meu projecto agrícola), tinha pensado inicialmente investir num furo artesiano, mas depois de conversar com os vizinhos, percebi que em redor havia já furos com 75 metros e 100 metros de profundidade. Comecei a ficar menos empolgado com essa ideia, e acabei mesmo por colocá-la de lado.

O  mais engraçado é que o meu terreno já tinha uma pequena barragem, a minha ideia inicial até era aterrá-la, ideias pré-concebidas, achava eu que era um desperdício de terreno. Tinha ideia de construir um tanque na parte mais elevada do terreno para fazer rega através da força gravitacional. Mas uma coisa é certa, em qualquer dos casos teria ou terei sempre o custo da elevação da água, seja de um furo ou de uma barragem.

A solução que encontrei para o meu caso e que irei executar no próximo verão é o emparedamento da barragem (fazer uma parede em pedra em todo o perímetro) de modo a poder ter um super reservatório de água. As paredes em terra em algumas barragens vão caindo e existe também a acumulação de lodo no fundo.

Aprender com quem sabe

Uma das coisas que gosto é de ouvir as pessoas que sabem mais do que eu, ou sabem algumas coisas que eu não sei. Temos de perceber que diferentes pessoas têm conhecimentos também diferentes, por vezes mesmo não sendo especialistas, possuem conhecimento. No meio de tantas opiniões, existem algumas que têm muito valor.

Um dos vizinhos, experiente nestas andanças, contou-me que o lodo se forma essencialmente nas primeiras águas (ou chuvas), o pó que está nos solos mistura-se com a água e acaba por se depositar no fundo dos reservatórios (barragens, tanques, etc). Outra situação também é o aparecimento de vegetação em redor da barragem, tal como o desenvolvimento de vegetação aquática. Com paredes em cimento e pedra resolvo também isto. A ideia é ter o mínimo de trabalho de manutenção no futuro.

A solução que tenho pensada é criar um sistema onde as primeiras águas seguem o curso natural (via tubos e/ou manilhas) e após as primeiras chuvas redirecionar a águas para a barragem. Estamos sempre a aprender!

O problema será se não houver chuva num ano, sem chuva estou feito 🙂

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.