Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Financiamento para empresas. Aspectos importantes

Existem muitas formas para financiar uma empresa, conforme foi já descrito no artigo financiar uma ideia de negócio. Contudo as formas de financiamento são distintas umas das outras, pois existem aspectos muito importantes na selecção dos mecanismos de captação recursos. Possuir conhecimento destes factores é uma forma de tomar decisões mais conscientes.

Neste artigo vamos abordar aspectos relacionados com a entrada desses fundos que capacitam a empresa a investir ou a iniciar actividade. Existe ainda outro motivo para apresentar aqui um artigo mais  técnico e um pouco fora da simplicidade com que gosto de abordar os temas. Investir em acções sem olhar para as demonstrações financeiras das empresas é como jogar no escuro.

Balanço

Antes de mais, importa apresentar um peça financeira fundamental, o balanço. O balanço é uma demonstração da situação da líquida da empresa. É uma fotografia,  por assim dizer do saldo das contas. Através deste documento é possível efectuar a avaliação de uma empresa (ponto de vista de liquidaçã0) onde o valor se obtém pela diferença entre activo e passivo. Muitos rácios financeiros podem ser obtidos através das informações constantes neste documento.

O balanço pode tomar várias formas, mas a mais compreensível é aquela onde é visível o equilíbrio:  Activo = Capitais Próprios + Passivo. Esta igualdade encontra-se em todos os tipos de balanço!

Aplicações

Na coluna das aplicações são registados todos os direitos da empresa, assim podemos aqui encontrar activos fixos como imóveis, equipamento. Saldos de contas a receber, seja de clientes ou Estado. Também é onde estão registados os depósitos bancários.

Recursos

Os recursos estão registados as obrigações. Os passivos não são mais do que empréstimos e dívidas da empresa. Os capitais próprios são as entradas do sócios ou accionistas, reservas e resultados transitados (lucros ou prejuízos de anos anteriores). Pois é neste aspecto que queria focar, pois uma coisa é obter financiamento através de passivo outra é através de capitais próprios.

Capitais próprios

O financiamento através dos capitais próprios é efectuado através de aumento de capital. Esta operação pode originar a cedência do controlo da empresa, caso quem invista consiga obter mais do que 50%. Quando se efectua um reforço dos capitais próprios é como se estivesse a vender parte da empresa, se a empresa tem um potencial de valorização oferece oportunidades de investimento apetecíveis.

Ao contrário do que muita gente pensa, muitos investidores não pretendem obter dividendos ou distribuição de resultados no futuro, o que esperam é que o valor da empresa cresça e se possam obter uma mais valia na alienação (venda da participação).

Passivo

Os empréstimos efectuados pela empresa tem um custo financeiro, que é beneficiado fiscalmente, no caso da existência de pagamento de juros. Aqui existe o custo dos capitais alheios muito fácil de calcular. Tem a grande vantagem de não manter a propriedade da empresa. Nesta parte do balanço podemos encontrar as dívidas ao Estado, a fornecedores, a sócios e a instituições financeiras.

Activo

O activo de uma empresa é composto pelo motor gerador da riqueza e do valor acrescentado. Estão aqui listados onde foram investidos os recursos da empresa. Equipamentos, Mercadorias, saldos de clientes, investimentos, saldo de contas bancárias e outros saldos a receber.

Vantagens de financiamento através de Capital Próprio

  • Não representa um custo financeiro
  • Pode originar apoio na gestão
  • Aumenta a capacidade de investimento

Vantagens de financiamento através de  Passivo

  • Não cede propriedade da empresa
  • Os juros e custos associados são dedutíveis no apuramento do IRC
  • Criação de valor para os proprietários

Conclusão

No momento da tomada de decisão e selecção é bom conhecer as vantagens de cada uma das possibilidades, contudo não podemos comparar o incomparável, pelo menos de uma forma superficial. Comparar microcrédito com capital de risco torna-se num exercício complicado, pois são formas distintas de financiamento.

Para cada negócio ou empresa existirão fontes de financiamento mais adequadas, individualmente ou conjugadas, todas podem ser uma opção.

Comentários

  1. Pedro Silva diz:

    Mais um grande post.

    Os meus parabéns Nuno.

  2. Almeida diz:

    Gosto destes artigos.
    Parabéns

    Já tenho alguns conhecimentos anteriores sobre estes artigos. Gosto sempre de me manter “reciclado”.
    Tenho uma ideia , que me acompanha à 10 anos. Para o ano vou abançar com o tal projecto de negócio.Mais precisamente em Maio.

    Já tenho parceiros, mas o que estou a ter mais dificuldades é no espaço, para o referido projecto.
    Os espaços “lojas”, tornam-se mais caros que o que valem . As pessoas para alugar ou venderem as referidas lojas, especulam muito acima da média. Pedem rendas muito elevadas.
    Cumprimentos e continuação

  3. Almeida diz:

    Outro problema , é a parte burocrática do nosso País.
    É um País de inercia para desenvolvimento de certos projectos . Acho que é preciso ter bons conhecimentos, quer em Camâras, .(“legislação”, que dificulta o desenvolvimento e arranque de certos projectos), entre outros…Não falo em problemas financeiros, pois vou investir do meu capital.
    É mais facil abrir um negócio na Suiça,(pois estou na Suiça,) do que no meu próprio País!!!!
    Cumprimentos