Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Filhos, fonte de alegria e de despesa, é preciso dinheiro!

Ter filhos é algo de mágico, gratificante, é simplesmente uma alegria, especialmente nos momentos mais ternurentos.

É fantástico ser pai.

Contudo, como tudo neste mundo, existe o reverso da medalha. Ter um filho é uma fonte de despesa, algumas dessas despesas são essenciais, mas outras nem tanto. Saber fazer contas e preparar a chegada do mesmo é um ponto vital para evitar situações de problemas no orçamento familiar.

Antes do nascimento

As despesas começam logo com a gravidez, roupas mais largas para Mãe, pois a sua barriga altera proporcões. A chegada do bebé é acompanhada de todos os preparativos, o quarto do bebé, com decoração, móveis. A criança também vai necessitar de vestuário, sapatinhos, mini fraldas e alguns brinquedos.

Nascimento do bébé

O início das despesas a sério, são despesas regulares, todas as semanas são necessárias as fraldas consumidas, o leite em caso da amamentação materna não se proporcionar. Depois dos 4/6 meses começa a introdução de papas ou das sopas, começa a corrida aos produtos recomendados pelo Pediatra. O guarda fato começa a ficar composto, se bem que nos primeiros tempos existe uma ajuda no vestuário e brinquedos por parte de familiares e amigos mais chegados, os pais também gostas de dar as suas prendinhas ao seu rebento, sendo por isso uma despesa quase desnecessária, já que o bebé pouco ou nada brinca com os mesmos.

Após um ano de idade

O consumo de fraldas será elevado até a retirada das mesmas, o que depende de criança para criança, e do empenho de pais para pais, o custo em fraldas representa um valor substancial nas despesas mensais, contado com os novos brinquedos. Existem brinquedos para cada fase do desenvolvimento das crianças, ou seja: é sempre a comprar novos brinquedos. O vestuário não se rompe, fica como novo, pois as crianças nestas idades crescem a ritmo elevado, provocando compras quase mensais em roupa, não convêm aproveitar os saldos de fim de estação, pois não se saberá ao certo o ritmo de crescimento da criança e se quando chegar a altura lhe servirá.

Educação da criança

Mais um fonte de problemas! Hoje em dia, em quase todos os agregados familiares, todos os membros possuem uma ocupação profissional, então a criança terá de ficar com alguém após a licença de maternidade concedida pelo Estado, as soluções não são muitas: ou os avós tomam conta da criança, a opção mais vantajosa financeiramente, ou se contrata uma ama, ou simplesmente se encontra um infantário para a criança.

Nos infantários o desenvolvimento das crianças é grande, tal como o problema para encontrar um colocação, mesmo nos colégios privados é uma luta, nos que são patrocinados pelo Estado ou pela Igreja é super difícil, e nem convêm falar muito sobre esse assunto. Para ocupar as crianças por vezes é necessário recorrer às actividades para tempos livres das crianças, as ATLs que também custam dinheiro, especialmente nos momentos de férias escolares.

Brinquedos

É uma alegria um pai ou mãe poder satisfazer os desejos das crianças, vê-los felizes, fazer-lhes as vontades, no fundo dar-lhe simplesmente mimos, sobre a forma material. Claro que isso custa dinheiro, muito dinheiro, convêm haver regras, para não estragar o filho com mimos nem afundar o orçamento familiar.

Despesas associadas

Existem inúmeras despesas associadas ao facto de ter filhos, são consultas médicas nem sempre através do Sistema Nacional de Saúde, é o carro maior para albergar cadeiras de rodas e sacos com o que é necessário para efectuar viagens, sejam elas pequenas ou grandes, acessórios de segurança, é a compra de uma casa maior para poder contemplar o quarto da criança. É as férias que ficam mais caras assim que as crianças começar a pagar também.

Ter descendentes é das maravilhas deste mundo que não tem preço, efectivamente não tem preço, mas tem um custo, um custo financeiro que em muitos dos casos pode representar o custo de uma casa. Não é brincadeira ter filhos, poder oferecer-lhes o que necessitam para o seu desenvolvimento adequado e para a sua felicidade, é o que limita muitos casais a não ter mais filhos, e são pessoas conscientes, afinal é preciso dinheiro para ter filhos.

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.