Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Dilema: comprar a totalidade de uma empresa ou apenas parte ?

gráfico redondoUma questão que me tem assolado o pensamento nos últimos dias é precisamente a questão, o que será melhor: comprar a totalidade de uma empresa, comprar uma participação social ou entrar como novo sócio através de um aumento de capital da sociedade. Como invariavelmente acontece à generalidade das questões a resposta começa sempre por: DEPENDE. Qualquer das decisões implica lidar com as vantagens e desvantagens de cada uma das situações.

Depende de quê?

A palavra diz muito e ao mesmo tempo não diz nada, é necessário analisar a empresa, o negócio em si, as vantagens da operação e também aspectos mais individuais como: o que se pretende, o que se ambiciona ou a visão que temos para a empresa.

As vantagens de possuir uma empresa em sociedade são várias, tal como já aqui foi referido, menor risco através da partilha do mesmo e menor potencial de rendimento, também consequência do mesmo factor, a divisão. Os mesmos pressupostos aplicam-se quando analisamos as vantagens de comprar uma empresa já em funcionamento.

De que depende:

  • Depende do valor da operação
  • Depende do risco do negócio
  • Depende do perfil de investidor
  • Depende das condições da operação
  • Depende da concorrência
  • Depende da liquidez, acesso a financiamento ou capacidade financeira
  • Depende da conjuntura económica
  • Depende do factor diferenciador da empresa
  • Depende dos sócios (personalidade perfil de investimento)
  • Depende do tipo de organização
  • Depende da própria empresa

Na maioria das situações eu até poderia aconselhar a adquirir apenas uma parte, mas por vezes a ambição de comandar os destinos da organização é algo de apetecível e também tem o seu Q de irracional

Este artigo surge pois são questões que me assolam a mente atendendo a que tenho que tomar este tipo de decisão. Estou perante uma operação de aquisição de uma empresa, só ainda não decidi completamente sobre a decisão a tomar. Compro tudo ou só uma parte?

Comprar a totalidade da empresa

Na compra da totalidade de uma empresa assumem-se todos os riscos do negócio, é-se responsável pela sua performance e controlam-se as principais variáveis, por exemplo o nível de endividamento da mesma.

Na compra de uma empresa pela totalidade há que ter em atenção as cláusulas de não concorrência e a possibilidade da empresa contrair dívidas dias antes da celebração do contrato de venda.

Comprar uma parte da empresa

A questão que se põe é a percentagem dos direitos de voto, participações inferiores a 50%, podem não conseguir influenciar as principais linhas de gestão do negócio. Comprar uma participação de 50% mais 1 quota dá direito / liberdade para gerir a empresa segundo as ideias do detentor da participação. Se tal não acontecer pode não conseguir comandar os destinos da empresa.

Se a discussão de várias opiniões é quase sempre melhor, a junção de vários investidores, com diferentes tipos de perfil de investimento pode gerar alguns atritos, mas também pode significar uma tomada de decisão mais ponderada e rectificada.

O risco da operação é tendencialmente inferior pois a empresa não é vendida na totalidade.

As perspectivas no futuro imediato

Os negócios e as empresas vivem na conjuntura económica global assim a maior parte dos negócios terá a sua actividade condicionada pela situação económica, em tempos de crise, a actividade diminui e em tempos de crescimento económico a actividade tende a aumentar. Este é um factor importante na hora de iniciar um negócio e também na compra de uma empresa, pois o valor das mesmas é condicionado pelas expectativas de evolução.

Comprar quotas versus acções

Investir em acções é uma das formas mais simples de tomar posição numa empresa, contudo o valor elevado das empresas cotadas traduz um investimento em algumas acções que são representativas de uma percentagem muito diminuta do capital. O poder de um pequeno investidor influênciar a gestão é praticamente nula. Já numa sociedade mais pequena, com capital social reduzido é possível com investimento mínimo possuir poder na decisão e nas estratégia da empresa. Talvez no futuro venha a dar mais atenção a estas oportunidades.

Comprar empresas de serviços

De todos os riscos que se poderiam enunciar, o risco de perder clientes pela aquisição parece-me bem real, pois é muito fácil mudar de fornecedor e num mercado onde a concorrência não falta é arriscado comprar uma empresa mudando assim os interlocutores.

Comprar uma empresa pelo valor dos clientes

Um negócio comum para expandir uma empresa é através da aquisição de carteiras de clientes, o valor de muitas empresas está nos seus clientes, nas empresas de serviços, este pode ser o seu maior activo. Por isso comprar algo que não se controla é arriscado, pois nada impede o cliente de mudar de fornecedor do serviço. Mas é quase certo que se perderão alguns clientes.

Para encontrar oportunidades de negócio, pode ser boa ideia dar uma vista de olhos nos sites de compra e venda de empresas de vez em quando. Foi através de um deles que descobri esta empresa 🙂

Comentários

  1. A Santos diz:

    Estou interessado em comprar/trespasse ou entrar no capital de uma empresa na area da contabilidade. Zona norte de Lisboa.

    Preferencialmente Alverca/P Stª Iria/Vialonga/StºIria/Bobadela/Loures/Sacavém