Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras

Esta frase ou aviso é imensamente repetido em prospectos de produtos financeiros, é um alerta para os subscritores dos mesmos que o histórico de ganhos pode não ser repetido. Este aviso pode aplicar-se não só aos investimentos mas também aos negócios. Ao meditar sobre este aspecto bastante evidente, mais me afasto de ideias de investimento que já deram os seus frutos. Assim procuro essencialmente oportunidades por explorar, não é fácil, mas ainda podem ser encontrados novos conceitos, novos activos ou novas empresas onde se pode investir.

O histórico é importante

Em análise financeira utilizam-se muito as análises com base no histórico, pois permite dar uma visão bastante aproximada do que nos reserva o futuro imediato, contudo nunca podemos esquecer que vivemos tempos de muita incerteza o que pode originar erros nestas análises de forma muito significativa. O histórico dá-nos boas ideias sobre o potencial de um investimento, mas nunca o poderemos utilizar isoladamente na tomada de decisão. Na distribuição de dividendos podemos encontrar um exemplo prático de como o valor dos dividendos muda de ano para ano, sendo por isso difícil determinar os do próximo ano para a generalidade das empresas.

Perdas passadas não são garantia de perdas futuras

Tal como o inverso esta situação também ocorre, em qualquer dos casos uma coisa não garante a outra. O que existe cada vez menos são as garantias face ao futuro perante o clima económico incerto em que vivemos e que caracteriza a actual situação económica e financeira mundial.

Por vezes, as rentabilidades passadas podem ser repetidas no futuro, o difícil é saber quais os activos financeiros ou negócios onde se pode encontrar este movimento. Tal como as perdas passadas podem ser repetidas no futuro. Por vezes as linhas de tendências para o futuro trazem grandes surpresas mas muitas vezes nem por isso.

Por exemplo:

O negócio da compra e venda de ouro originou bastante retorno nos primeiros anos de actividade, será pouco provável que essas rentabilidades continuem a manter-se pela razão óbvia do excesso de procura de ouro usado e pela escassez desse bem precioso. Só se pode vender o ouro que se tem e depois de vendido, não pode ser vendido outra vez. (um bem consumido ou vendido, desaparece)

Os sites de compras com descontos online é outro desses exemplos, pois se os primeiros tiveram crescimentos abismais, os seguintes nem por isso, outros existem que nem sequer são conhecidos pelos utilizadores frequentes da internet. Neste artigo pode verificar os sites de descontos que encontrei a actuar em Portugal. A questão que até já me colocaram por email foi: não haverá espaço para criar mais um site de descontos? Até existe, e com possibilidades de fazer dinheiro, mas nunca seria completamente diferente dos que existem, seria só algo diferente. Mas pode-se inovar neste conceito, claro. Utilizando sociedades e diferentes competências podem criar-se negócios altamente competitivos e às vezes lucrativos em muitos outros sectores de actividade.

Então porquê investir actualmente num negócio com um histórico positivo mas sem perspectivas animadoras e não procurar um novo negócio procurando ser pioneiro, através de um novo conceito. A compra e venda de ouro existe há muito, só para relembrar, as casas de penhores e as ourivesarias sempre compraram ou efectuarem penhoras sobre artigos em ouro.

A reter: introduzir um novo conceito num produto ou serviço pode ser uma excelente ideia para iniciar um investimento empresarial.

Negócios de sucesso no passado não são garantia de negócios de sucesso no futuro.


Siga-nos também em Follow

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.