Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Os 4 factores que condicionam a independência financeira

A independência financeira deveria ser debatida semanalmente à mesa de refeição das famílias. Aqui ficam mais alguns aspectos a considerar para elaborar a estratégia certa para o conseguir ou pelo menos para pensar que é possível chegar a esse nível de segurança financeira.

O objectivo inicial de um investidor inteligente deverá ser atingir a independência financeira o quanto antes e os factores que influenciam o concretização do objectivo são:

O património

O património influencia positivamente os rendimentos já que a maior parte do património gera rendimento. As aplicações financeiras, o imobiliário e os negócios geram quase sempre um rendimento. Mas nem sempre acontece, aplicações em acções podem gerar menos valias, os terrenos normalmente também não geram rendimentos constantes e os negócios podem correr mal e em vez de gerar um lucro, podem dar prejuízo.

Assim convêm possuir património que gere rendimento regular, como apartamentos, depósitos a prazo, obrigações, acções de empresas que geram dividendos e negócios estáveis. A busca do melhor património deve ser constante, sendo um hobbie muito saudável financeiramente.

Existe património que em vez de gerar rendimentos gera despesa, a habitação própria é disso um exemplo, automóveis, televisões e mobiliário são disso também exemplo, por isso deve-se ponderar muito bem antes da sua aquisição. Se bem que muito deste património seja indispensável para ter uma vida estável.

O rendimento

Para conseguir um rendimentos nem sempre se necessita de património, precisa-se apenas de activos! Fazer contratos e gerar rendimentos através de subarrendamento é disso um exemplo, mas pode-se também gerar rendimentos através de negócios muito facilmente, a título exemplificativo: com uma máquina de costura pode-se entrar no negócio da personalização de vestuário, criar uma empresa pode gerar resultados constantes num longo período de tempo.

Conseguir rendimento através de negócios também é uma forma que pode multiplicar várias vezes o investimento efectuado, os maiores investidores têm sempre empresas por detrás dos seus investimentos, seja como veículo de aquisição de empresas ou mesmo como actividade principal.

Os rendimentos empresariais gozam ainda de uma menor carga fiscal e há que ter isso em atenção ponderando a criação de uma empresa no futuro.

A despesa

Se a independência financeira é possuir rendimentos, não provenientes do trabalho, que cobrem todas as despesas mensais, quanto menores estas forem menores também serão os rendimentos necessários. Assim actuar na redução da despesa proporciona maior facilidade no cumprimento do objectivo, é mais fácil gerar um renda mensal de 1000 Euros do que de 5000 Euros. A despesa deverá estar sempre alinhada com os rendimentos, até para não estar dependente de créditos. Poupar sem prescindir é uma das formas de reduzir a despesa. Por vezes basta negociar, para pagar menos pelo mesmo bem.

O tempo

O tempo é algo que não pára, logo a corrida contra o tempo é constante pois não interessa muito conseguir a independência financeira aos 65 anos! É tentador conseguir esse objectivo o quanto antes para poder desfrutar da vida e festejar os sucessos financeiros ainda jovem. Viver de rendimentos antes da reforma é a ideia.

Assim colocar todos os factores sob observação e avaliação para poder optimizar todo o processo (caminhada)  para atingir a meta desejada: ser financeiramente independente.


Siga-nos também em Follow

Comentários

  1. amanda diz:

    Venho por meio deste comentário comunicar a dificuldade de compreensão devido à incoerência em certos trechos do texto,que em alguns momentos parece contraditório.
    Beijos, de uma vestibulando visando o vestibular de Medicina.

    • Nuno Casimiro diz:

      Olá Amanda

      Talvez seja por o texto estar redigido em português de Portugal e não português do Brasil

      Votos de sucesso

      • Emanuel Toledo diz:

        Olá Nuno,

        É verdade que existem algumas diferenças na escrita entre o português do Brasil e o português de Portugal. No entanto, acho que mesmo assim, podes melhorar um ou outro pormenor no texto. Às vezes, a falta de uma vírgula ou de uma palavra, é o suficiente para não compreendermos um texto à primeira, sendo assim necessário relê-lo uma segunda vez….

        Dá uma vista de olhos ;)

        Cumprimentos

  2. André diz:

    Leitura: Livro Pai Rico Pai Pobre.

    Muito bom, abrange de forma beemm ampla estes conceitos que nosso amigo Casimiro pôde condensar de forma bastante resumida e prática aqui.

    • Nuno Casimiro diz:

      Olá André

      Obrigado pelo comentário,
      o livro pai rico pai pobre, não aborda os factores tempo e património :-)

      Votos de sucesso