Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Negócio da construção de websites para empresas

A criação de websites para empresas é um negócio apetecível, já que apresenta um baixo custo de exploração e pode ser também bastante lucrativo, conforme vou demonstrar. Basta encontrar os clientes certos. Este é um pequeno negócio que se pode transformar num grande negócio.

Um website pode ser simples ou mais complexo, mediante o que se pretende com o mesmo. Uma das grandes diferenças na criação de sites é a forma como eles são construídos, podem ser programados de raiz por um programador, uma solução à medida do cliente ou através de um CMS (Content Management Systems) que facilita o trabalho, sendo apenas necessário montar o puzzle.

Para a criação de um website necessitamos de apenas 3 coisas: domínio, alojamento e a página a apresentar.

Domínio

Neste capitulo podemos dividir em sub domínios e domínios, se bem que não é muito profissional utilizar subdomínios, assim olhando para um domínio, podemos selecionar entre dezenas de extensões. Contudo as mais comuns são o .COM, .NET e .PT. Depois de registar o domínio escolhido é apenas necessário redireciona-lo para o alojamento.

Alojamento

É o local onde se situa o site, a hospedagem, será aqui que será colocado o conteúdo do website. Temos vários especificidades no alojamento web, pela localização dos servidores: nacional ou mundial e pelo tipo de utilização: alojamento partilhado ou alojamento em servidor dedicado.

No que respeita à hospedagem do site temos ainda que considerar, vários aspectos, como por exemplo:

  • Sistema operativo: Linux ou Microsoft
  • Extensões e extras
  • Painel de administração
  • Tráfego incluído no plano
  • Capacidade de disco

Depois dos aspectos mais ligados à parte técnica vamos falar sobre a construção do site. Assim identifico 3 tipos de websites principais: lojas online, sites de apresentação institucional e sites de relacionamento com clientes.

Lojas online

A construção de lojas online actualmente é bastante simples, muito por culpa dos softwares open source disponibilizados (CMS). Mesmo as versões pagas têm um valor simbólico. Depois de  fazer upload dos ficheiros, cria-se e configura-se uma base de dados. Faz-se de seguida a parametrização (configuração) e ajusta-se o design e está pronto a receber produtos para venda.

Por vezes é necessário adicionar extras  (plugins, extensões, módulos, etc) para ter acesso a determinadas funcionalidades, por exemplo: pagamento através de referência multibanco.

Websites institucionais

São os sites mais simples, não necessitam de base de dados, já que podem ter apenas algumas páginas e sem grandes funcionalidades. Os sistemas que permitem a criação do site sem base de dados podem ser construídos em HTML ou PHP  ou em Flash.

São uma forma de dar a conhecer as empresas ou negócios por um custo relativamente baixo, pois os recursos a utilizar podem ser mínimos. Claro está que dependerá do tipo de estratégia utilizada e o objectivo do site pois se alguns sites tem como missão apenas apresentar a empresa, outros pretendem captar clientes online o que é completamente diferente.

Websites  multifunções

As versões de sites mais complexas e menos usuais têm funções como a gestão de contas de clientes e são por norma construídos com recurso a vários programadores que vão fazendo melhorias e acrescentado funções. Um exemplo, basta pensar no website da GalpEnergia com o portal de cliente de gás. Não conheço muito sobre o assunto para poder aprofundar. Exigem trabalho de programadores e apesar de todas as minhas valências esta ainda não é uma delas!

O mercado

Os negócios na internet têm concorrência que cresce a um ritmo exponencial, pois os custos de implantação são baixos, é um negocio que pode ser lançado com menos de 200€! Assim é bom que se consiga ter uma estratégia assente em mais valias para o cliente. Por exemplo o design arrojado ou a optimização para motores de pesquisa.

O preço de um website empresarial

O preço de um site pode variar bastante, pois dependerá sempre da pessoa que o construir, existem empresas que cobram 100€ por cada página e outras onde o custo pode ascender aos milhares de Euros.

Contudo temos sempre que analisar o que vem com o site e o que é cobrado à parte: optimização para motores de pesquisa, email personalizado, se o alojamento tráfego está incluído, espaço de disco, domínio, etc. Todos estes factores condicionam o preço a praticar.

Os lucros podem ser espectaculares

Não é preciso ser um génio da matemática para ver que este negócio pode gerar muito dinheiro. Fazendo uma estimativa (a olho), se conseguir vender 1 site por semana (o que não me parece difícil) cobrando 500€ por cada um, consegue facturar 2000 mensais ou 24000€ anuais, os custos para produzir 52 websites (excluindo mão-de-obra) são mais ou menos de:

  • Alojamento +- 100€
  • 52 Domínios +- 400€
  • Publicidade +- 1000€

O resultado é de 24000-1500= 22500€ antes de impostos, sem fazer nada de extraordinário. Já para não falar das renovações que incluem, a gestão do website (backups, renovação do domínio e alojamento) valores que podem oscilar entre os 50 a 100€ anuais para o cliente e demoram pouco mais de alguns minutos a executar.

Basta saber fazer sites  e conseguir vendê-los para entrar neste negócio e obter assim um bom rendimento.

Este é um dos negócios que já ponderei muito se devo ou não entrar pois poderia fazê-lo sem grande custo, tenho até alguns sites feitos para empresas de amigos. Contudo tenho ideias de criar um negócio ainda melhor, especializando-me num área que gosto ainda mais do que a internet.


Siga-nos também em Follow

Comentários

  1. Paulo Peres diz:

    Bom artigo…
    No final, quando deixa a ideia em suspenso, em que pensa? Nas áreas ligadas aos investimentos, como seguros ou produtos financeiros?

    Continuação de bom trabalho.
    Óptimo site!

  2. Nuno diz:

    Olá Paulo
    Agradeço o comentário

    Em relação à questão colocada, é uma hipótese. Eu gosto de finanças e de números!
    Votos de sucesso

  3. Ricardo Abreu diz:

    A mão de obra é o verdadeiro custo de produção que faz toda a diferença no sucesso ou insucesso do projecto…Aquilo que é visível ( frontend/ website) é apenas a ponta do iceberg, já que muito do trabalho passa por código,seguranca,usabilidade,optimização para disp.moveis, cross platform IE,Firefox,Safari, SEO,SQl Injection prevention,etc etc…
    Se pode ser rentável?…Claro que sim,se reunir conhecimento sobre todos os temas acima. Um CMS poupa tempo em desenvolvimento, mas nao se deve esquecer que qualquer falha é explorada em massa pela comunidade na Internet, pelo que tens pros e contras a considerar!.

    • Nuno diz:

      Olá Ricardo Abreu

      Obrigado pelo seu comentário
      Plenamente de acordo

      Votos de sucesso