Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Momentos em que é melhor não investir em acções !

O investimento nos mercados bolsistas não é uma ciência exacta, pois existem sempre lições que os mercados nos dão, que não queríamos receber, as que mais marcam veêm acompanhas de desapontantes menos valias. Como ninguém gosta de perder dinheiro é necessário ponderar bem o momento de entrada ou reforço de posições.  Escolher o momento certo para investir é tão fundamental como a escolha dos próprios activos.

Após o artigo sobre comprar em mínimos e os melhores momentos para comprar acções, parece-me pertinente invocar algumas razões para não investir em acções em determinados momentos, pois as tentações são muitas e as ansias de ganhar dinheiro podem resultar num desastre financeiro. Até porque após experiências falhadas e menos valias realizadas é natural que se abandone este tipo de investimento, que tanto pode render ou retirar.

Perspectivas negativas face ao futuro

Se é verdade que as bolsas tendem a mostrar a recuperação da economia nos 6 meses que antecedem a esta, também é verdade que qualquer pessoa pode saber que nos próximos 12 meses não acontecerá essa boa nova para os portugueses e para os investidores. Assim aguardar por melhores dias pode ser a decisão mais acertada. Ciente que a bolsa pode cair ainda mais, também reconheço boas oportunidades pelos níveis actuais de preço de certos títulos. Mas claro se pudermos comprar ainda mais barato, melhor!

Os momentos quentes

É comum que em certas situações relacionadas com a empresa emitente das acções possam ser acompanhadas de grandes valorizações, esses momentos não são os melhores, uma das frases que mais se ouve é “comprar na rumor venda na facto”. E já foi comprovado por mim, não segui esta regra e dei-me mal já por algumas vezes. Muito por culta da minha própria irracionalidade momentânea face às empresas e também acompanhada de ignorância ou perspectivas completamente erradas da situação :-(

Bolhas especulativas

Estes movimentos que são visíveis por sectores da economia acontecem de tempos a tempos, investir no início  pode dar frutos, gera mais valias se se vender no perto do auge, contudo pode-se pensar em todos os sectores com perspectivas de longo prazo. Investir após o estalar da bolha e pensar no longo prazo, já acho que pode ser uma ideia! Comprar no pico é que não!

Mas a bolsa está a saldos?

Sim, é verdade a bolsa portuguesa está a saldos, mas já estava na Junho ou em Março ou até mesmo Janeiro. O que podemos ver é que têm existido muitos dias negros nas bolsas, são uns a trás dos outros. Assim se hoje existem oportunidades, provavelmente dentro de 3/6 meses essas oportunidades serão ainda maiores. Dependerá da inversão do ciclo económico ou da situação internacional das economias.

Porque existem momentos é que não fazer nada já se está a ganhar, ou não se perde.


Siga-nos também em Follow

Comentários

  1. Miguel Pires diz:

    Não sei se esperar “eternamente” que os preço das ações baixem ainda mais será uma boa estratégia. Senão vejamos: eu não vou comprar à espera que as ações continuem a descer… e descem (acontece isto algumas vezes). Vou continuar à espera… e há um movimento de subida. E eu penso: mas se calhar é só uma correção para continuarem a descer… e sobem! E eu penso: mau, assim já estão muito caras para eu comprar e podem agora começar a descer outra vez… e sobem! E eu nesta altura compro! Mas como nos mercados há sempre impulsos e correções (para baixo ou para cima) quando eu compro, embora a tendência seja já ascendente, as ações descem… e eu vendo e digo: fo*^`^`», nunca mais me meto nisto das ações! Esta situação não acontece poucas vezes!

    Numa estratégia buy and old nesta fase (quando a análise fundamental nos mostra que os preços são inferiores ao valor real ou valor intrinseco – como alguns lhe chamam e a análise técnica nos começa a mostrar esgotamento do bear market) comprando a mesma quantia em ações todos os meses, caso as ações ainda continuem a descer por mais algum tempo, vamos comprando uma quantidade cada vez maior de ações a cada compra. Quando o ciclo se inverter a ideia é continuar a comprar até a análise fundamental e técnica nos dizer que o preço já está demasiado elevado em relação ao valor. Claro que temos que confiar plenamente na nossa avaliação de valor e não ligar às flutuações de curto prazo, porque esta estratégia é de LONGO PRAZO.

  2. Miguel Pires diz:

    Para o curto prazo (especulação) existem os derivados financeiros, fantásticos pois pode-se ganhar dinheiro com as subidas e com as descidas!

    • Nuno diz:

      Olá Miguel

      Concordo, mas temos que ver que esses produtos derivados são produtos alavancados, e por isso não aconselhados à maioria dos pequenos investidores.

      votos de sucesso

  3. Miguel Pires diz:

    Espero não estar a ser muito chato mas por hoje vou comentar só mais uma coisa:

    Parece-me um erro esperar pela inversão da situação internacional das economias para investir porque os mercados financeiros é que são indicadores avançados da economia e não o contrário. Quando a situação economica mundial começar a melhorar a olhos vistos já o bull market vai longo… Os grandes investidores começam a comprar no caos! É o pensamento de segundo nível – entrar quando toda a gente está fora e sair quando toda a gente está dentro! Caso contrário seria muito simples prever o crach de 2007… É por isso que poucos ganham a sério e muitos perdem – porque têm pensamento de primeiro nível e seguem a “carneirada”! Ser do contra nos mercados é fantástico!

    • Nuno diz:

      Olá Miguel

      Podes comentar à vontade. Ainda mais comentários pertinentes como os teus.

      Antes de dar uma resposta, deixo também uma pergunta: Desde quando investes na bolsa?

      Concordo, existe até quem defenda que as bolsas vão 6 meses à frente da economia. A bolsa antecipa por isso o sentimento da economia.
      Infelizmente, é difícil investir no longo prazo na bolsa portuguesa: http://investidor.pt/ofertas-publicas-de-aquisicao-tipos-de-opas/

      Contando que este artigo, possui 1 ano, quem leu este artigo e saiu da bolsa,deixou de perder muito dinheiro. ;-)

      Votos de sucesso

      • Miguel Pires diz:

        Nuno,

        Vamos por partes:

        1- o investimento a longo prazo, através do metodo que apresentei, é o mais fácil, com menos risco e mais rentável, tecnicamente. O problema é que, psicologicamente, quase ninguém tem as qualidades necessárias para o concretizar. Como eu disse, investir a longo prazo é “desafiar a morte” e a maioria das pessoas prefere antecipar o consumo a adia-lo! (mas para quem estiver disposto a “desafiar a morte”, esta estratégia não anda muito longe da seguida por alguns dos grandes milionários da historia – a acreditar no testemunho deles proprios…

        2- É verdade que quem seguiu os teus conselhos acertou em quando não devia entrar, mas duvido que acerte em quando entrar! Na maioria dos casos vái acontecer como na alegoria que apresentei. Ninguém consegue prever os timings do inicio dos Bull markets nem dos Bear markets. Nem os maiores especialistas. O que os mais bem sucedidos gestores de carteiras de investimento fazem é prever a sua aproximação e não o momento certo, tomando as decisões em função disso.

        3- Em relação aos derivados, é um erro pensar que por serem alavancados é linear que são mais arriscados que as ações em intraday ou day trading. Senão vejamos: no caso dos futuros só podemos negociar com contratos nominais (o que realmente apresenta um horizonte de potencial perda grande) mas no caso dos CFD´s, podemos operar com frações de contratos (0,1 por exemplo) onde cada pequeno movimento de mercado (tick) corresponde a variações de centimos na nossa conta. Ou seja, alguém com 1000 euros (por exemplo) pode perfeitamente ter uma técnica que lhe permita um objetivo diario de 100 a 200 euros (por ex.) com perda máxima estabelecida de 30 a 60 euros (por ex.). Resumindo, podemos, com 1000 euros fazer o que tu dizes noutro post com 20 000 euros em ações!

        4- Em minha opinião, não é pelo facto de se ser pequeno investidor que é desaconselhavel investir em derivados, é antes pelo facto de se estar ou não disposto a estudar aprofundadamente este mundo. É claro que a maioria dos pequenos investidores não está disposto, mas não é esse o motivo!

        5- comecei a investir em 2008 e a estudar a sério em 2010.

        Abraço

  4. Nuno diz:

    Olá Miguel

    Aqui vão mais umas ideias para cima da mesa.
    Eu não sou um super investidor ou um trader profissional, sou apenas alguém que gosta de investir na bolsa, daí que não seja um expert. Mas sei algumas coisas ;-)

    Sobre os derivados, volto a sublinhar que não é para toda a gente, para se investir em produtos como CFDs e Warrants, têm de se ter conhecimentos que muito pouca gente tem. Dou um exemplo: saber calcular o valor de um derivado, de forma a saber se o valor do mesmo está ajustado, ou não. Compreender os “alfas” e os “betas” desses produtos, etc.

    O próximo artigo, vai ser para ti Miguel ;-)

    Votos de suceso

    • Miguel Pires diz:

      Olá Nuno,

      Este último comentário não contraria em nada o que eu disse:

      Como dizem muitos investidores de sucesso, “não há almoços grátis” e pelo que sei só há duas formas de ganhar muito dinheiro nos mercados financeiros:

      - No longo prazo, abdicando de muito consumo e estudando bastante. – Muito pouca gente está disponível para tal

      - No curto prazo, com muito controlo emocional, muito estudo e muito boa gestão monetária. – Muito pouca gente está disposta a tal (e muita não consegue o controlo emocional mesmo tentando!)

      Por isso há e haverá sempre poucos independentes financeiramente e muitos dependentes…

      Abraço

  5. Miguel Pires diz:

    Correção: mesmo no segundo caso é no médio prazo e não no curto…