Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Criar um negócio: vender produtos ou prestar serviços?

A ambição de criar um negócio próprio leva a uma busca de ideias para criar uma actividade que venha de encontro aos gostos pessoais do empreendedor e também que possa ter rendibilidade, já que todos precisamos de dinheiro para viver.

A busca de ideias de negócio pode ser algo frustante, se em algumas vezes não se encontra um negócio à nossa imagem, outras há que as ideias são tantas que o foco dispensado não é suficiente para que estes dêem certo.

Avançando para a pesquisa de ideias, devemos pensar realmente no que é mais vantajoso e rentável. A forma mais simples é olhar em nosso redor procurando oportunidades, os nossos gostos pessoais também podem ser preponderantes na escolha da ideia de negócio certa. Assim na formulação das ideias sobre a actividade a desenvolver, é importante conhecer alguns conceitos.

Negócio na comercialização de produtos

A comercialização de produtos é uma actividade que pressupõe a existência dos mesmos,  logo deve-se definir com serão eles adquiridos:

  • Pode-se fabrica-los (exemplo: artesanato)
  • Pode-se ser representante ou retalhista dos mesmos

Dependendo dos objectivos, assim será a forma mais indicada, se a produção acarreta custos de produção, a sua comercialização acarreta custos de relativos à aquisição dos produtos para venda. Um custo de aquisição é o custo do produto acrescido de todos os custos (ex: transporte, seguros, etc) necessários para estes estarem na sua posse.

Geralmente é necessário ter stock para satisfazer os pedidos, isso representa um custo, custo de armazenamento. Se apenas se for retalhista, a selecção dos fornecedores e a negociação das condições é fundamental, pois as margens de comercialização estão cada vez mais esmagadas pela força da concorrência. Se o produto possui uma qualidade elevada, outros haverá com qualidade semelhante.

Os custos de produção também são uma componente fundamental na competetividade da empresa, e a criatividade é rainha neste capitulo, pois se anteriormente se deslocalizava as industrias para países com menores custos na mão-de-obra, actualmente começasse a ver a contratação dessa mão-de-obra de individuos vindos desses países. Muito visto na agricultura!

A excepção que pode ser ainda considerada uma grande oportunidade reside nos produtos digitais, vendidos através da internet, pois fogem a toda a lógica dos produtos físicos.

Uma alternativa para vender produtos sem ter de fazer investimentos é ser vendedor comissionista, assim obtém-se uma comissão pelas vendas, deixando de lado a maioria dos custos. Uma óptima forma para rentabilizar os tempos livres.

Negócio da prestação de serviços

Os negócios centrados na prestação de serviços têm aspectos muito diferentes da simples comercialização de produtos. Os serviços não podem ser armazenados, se não tiver trabalho durante uma semana, não poderá nunca recuperar essa oportunidade. Os serviços estão limitados pela capacidade instalada, uma pessoa não pode trabalhar mais do que 24 horas por dia! Os serviços são realizados por pessoas, os produtos podem ser fabricados por máquinas (genericamente).

Uma das particulariedades neste tipo de negócios é o reduzido investimento necessário, comparativamente, na maioria das situações. Montar uma universidade é dispendioso, já ser mediador de seguros apenas é necessário ter algumas aptidões.

Algumas actividades com base em serviços:

  • Formação
  • Consultoria
  • Mediação
  • Reparação
  • Limpezas
  • Gestão de imóveis
  • Comunicação
  • Aluguer

Existem imensas formas de iniciar um negócio próprio, por vezes a única coisa que falta é vontade e determinação, uma coisa é certa: sem uma pesquisa intensiva de oportunidades e análise cuidada das oportunidades, o sonho de abrir um negócio pode tornar-se num pesadelo. Mais que criar um negócio, interessa criar um negócio com possibilidades de sobrevivência e que possa render algum dinheiro.


Siga-nos também em Follow

Comentários

  1. A. Soares diz:

    Concordo plenamente com o que foi dito na segunda parte do artigo. No entanto, fazer algo como isso em Portugal, principalmente agora, é perder dinheiro.
    Falo por mim que tentei fazê-lo aí e depois de muito pensar, reflectindo bastante, decidi montar o meu negócio no Canadá.
    Não podia estar melhor… é pena que não o tivesse conseguido em Portugal, o meu país, mas enquanto os interesses dominarem tudo o resto e os políticos se vergarem aos lobbies não voltarei à minha nação para lhes alimentar os vícios malditos!

  2. Nuno diz:

    Olá Soares
    Agradeço o comentário

    Felicito-o pela atitude empreendedora. Infelizmente, o mundo perfeito não existe!
    Votos de sucesso

  3. Sandra Durante diz:

    Tenho uma grande vontade de empreender mas infelizmente o nosso país está contra os empreendedores:
    1- licenças…milhares!
    2 – tempo…uma eternidade!
    3 – leis…absurdas!
    4 – impostos…uma enormidade!
    Infelizmente em Portugal quando se começa a trabalhar,já se faliu e não é por falta de determinação, nem de vontade, nem de criatividade,nem de inteligência.É porque temos desde há muitos anos uma liderança política deplorável,pouco qualificada pelos vistos, desumanisada, arrugante que pensa em tudo menos nos seus cidadãos.Porque desde há muito se prejudica quem trabalha e quem quer trabalhar,porque não querem as nossas ideias,porque não nos valorizam,não nos apoiam! Pelo contrário,travam-nos,bloqueiam – nos e dificultam tudo o que pode ser viável.Mas quando mesmo assim, se tem algum sucesso, arranjam maneira de nos levar tudo comprometendo a continuidade da ideia,ou do negócio,ou da empresa,dos postos de trabalho etc.
    Em fim…vencem – nos pelo cansaço!!!!
    Mas eu não desisto!!!

    • Nuno diz:

      Olá Sandra

      Permita-me dizer-lhe algumas ideias:
      Por vezes não é fácil empreender, mas depende da determinação de cada um
      Tudo pode ser contornado, é necessário conhecer bem o terreno que pisamos para poder usufruir do que queremos.
      O impostos não são muito elevados, 25% para empresas, é necessário é saber tirar partido da propriedade de um sociedade comercial. O contribuinte singular pode ter taxas de 45%, sem poder deduzir grandes despesas.

      O que é necessário é uma boa ideia de negócio com uma rentabilidade, e depois não desistir.

      Votos de sucesso

  4. Ana Catarina Costa diz:

    Boa Tarde Nuno!
    Tenho uma ideia de negócio para prestação de serviços, mas não sei como fazer para avançar com o negócio. A minha ideia era era abranger vários serviços, como – Administração e Gestão de Condomínios
    - Assessoria Administrativa
    - Gestão e Manutenção de Arrendamento de Imóveis Habitacionais e Não Habitacionais.
    - Questões relacionadas com a compra e venda de imóveis.
    - Serviço de Recepção de Correspondência e Reexpedição para Cidadãos a residir no Estrangeiro ou a residir fora da sua residência habitual.
    - Preenchimento de Declarações de IRS
    - Preenchimento de Formulários junto das Conservatórias de Registo Predial, Automóvel, Comercial e Finanças.
    Mas não sei por onde começar, será primeiro divulgar os serviços.
    Gostaria que me desse a sua opinião e os seus conselhos.
    Obrigado
    Cumprimentos
    Ana Catarina Costa

    • Nuno Casimiro diz:

      Olá Ana

      A primeira dica é planear bem o negócio.

      Começar um negócio já com clientes é um boa ideia

      Votos de sucesso