Conseguir a independência financeira através de juros

Uma ideia que pode agradar a muitas pessoas é sem dúvida atingir a independência financeira através do rendimentos obtidos com base em depósitos a prazo, os juros. O processo é relativamente simples, através da constituição de depósitos a prazo não capitalizáveis obter o rendimento mensal (juros) para cobrir as despesas.

Os rendimentos passivos, onde passivo é não fazer nada, é uma das fórmulas mais apreciadas pela maioria das pessoas. A ideia de ganhar dinheiro sem fazer nada é muito apreciada.

“Juro é a recompensa pela renúncia à liquidez” segundo Keynes, pode dizer-se que é o preço do dinheiro. Pode ser um ganho ou pode ser um custo.

A independência financeira é ou deveria ser um objectivo pessoal de cada um de nós, pensar menos no dia de hoje olhando mais para o futuro, até porque o futuro é já amanhã. A idade passa a correr, o tempo nunca pára.

Pressupostos

Para realizar este cenário de rendimentos, temos de considerar 2 aspectos importantes: a taxa de juro e os impostos sobre rendimentos de capitais (tributação autónoma).

Taxa de juro anual de : 6%; Imposto: 25%; Taxa de juro liquida de impostos: 4,5%

A ideia seria aplicar ou constituir um depósito a prazo com maturidade de um mês ou 12 depósitos a prazo com maturidade de uma ano. Nos caso da constituição de 12 depósitos, o início de cada um seria desfasado um mês. O juro libertado mensalmente é o rendimento que se utiliza para cobrir os custos da independência financeira, como a alimentação, transportes, vestuários e todas as despesas mensais.

Independência financeira de 500€ mês

Valor total necessário para obter rendimentos de 500 euros líquidos de impostos mensalmente é de 133.333€ ou através de 12 aplicações a prazo no valor de 11.111,11€ .

Independência financeira de 1000€ mês

Valor total necessário de obter rendimentos de 1000 líquidos de impostos mensalmente é de 266.666€ ou através de 12 aplicações a prazo no valor de 22.222€

Podemos verificar facilmente que quanto maior for o valor de despesas mensais a cobrir maior é o valor necessário aplicar a prazo. Assim reduzir as despesas mensais torna mais fácil atingir esta meta.

O mais difícil é conseguir os primeiros euros, pois através da capitalização dos juros pode fazer-se crescer a poupança até aos valores pretendidos. Com uma poupança de 24.000€ e com uma aplicação de 2 mil euros mensais consegue-se gerar 90€ mensais, pois os 24 mil podem desdobrar-se em 12 depósitos de 2 mil Euros. Os rendimentos em regime de juros compostos irão ser superiores ano após ano. E assim se caminha rumo ao objectivo.

Alternativa aos depósitos a prazo

Como ideia é obter rendimentos constantes através de juros ou rendimentos periódicos, podemos também considerar o investimento em obrigações, em acções que façam distribuição de dividendos. Nesta estratégia de investimento, a diversificação das fontes de rendimento permite maior segurança e protege o património. Poderíamos incluir também outros produtos financeiros que façam distribuição de rendimentos, como alguns fundos de investimento, sendo os fundos de investimento imobiliários onde é mais comum isso acontecer.

A ideia de sobreviver numa condição desejável onde não existam obrigações laborais ou de outra espécie, é um mote para poupar e investir a pensar no dia de amanhã. O dia em que pretendemos ser financeiramente independentes e sustentáveis. Uma outra ideia para atingir a independência financeira e que não deixa de ser também uma hipótese apreciada pela maioria das pessoas é através do rendimentos imobiliários ou rendas provenientes de arrendamento, tema que foi abordado no artigo viver de rendimentos imobiliários.

Etiquetas: ,
Artigos relacionados: