Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Comprar ou poupar, dilema económico complicado

Por vezes e quando falamos de finanças pessoais somos levados a pensar em incentivar a poupança, contudo quando queremos dar uma óptica mais global, olhando para a Economia, vimos que nem sempre a poupança a favorece, sendo uma questão delicada e que deve ser bem analisada perante as várias vertentes.

Vantagens de poupar

Ao poupar está a contribuir com fundos para o sistema bancário poder distribuir pelo sector empresarial, sendo que não será preciso recorrer a entidades estrangeiras para financiar a economia do país. Ao nível das familias a poupança tende a melhorar as capacidades financeiras para o futuro, bem como a criar riqueza pessoal.

Quando se poupa e não se compra reduz-se o consumo geral no país, logo o crescimento do país por via do consumo interno não ocorre, o que não é bom !

Vantagens de comprar

Quando se compra seja o que for, está-se a contribuir para que as empresas possam ter lucros e assim pagarem impostos e lucros aos seus acionistas, favorecendo o crescimento das mesmas, com o crescimento existe a necessidade de contratar mais pessoal, aumentando também os salários para os reter, melhorando os rendimentos das famílias, assim podem continuar a comprar cada vez mais, e a ganhar cada vez mais, pagam-se mais impostos e a carga fiscal tende a ser mais eficazmente repartida por todos os trabalhadores.

O ciclo vicioso (virtuoso) que é a Economia

Se não se compra, as empresas vendem menos, logo têm menos lucros, logo têm de fazer reestruturações, assim surge o desemprego, com o desemprego, menor é a capacidade financeira das famílias, redução do consumo, e assim sucessivamente. Afinal as economias dependem muito do consumo das familias e as familias dependem da actividade económica das empresas, o ideal seria exportar fortemente, mas isso é o que querem todos os países!

Se existe muito desemprego, a carga fiscal tende a ser mais elevada para quem trabalha para fazer face às prestações sociais dos que não têm a sorte de ter um posto de trabalho, é injusto para todos, uns porque são sobrecarregados em impostos ou outros porque vêem o seus rendimentos caírem. Sair desta situação não é fácil.

Venha o investimento, para contrariar as tendências criadas pela falta de consumo. Poupar pode ser bom, mas também pode ser muito mau.


Siga-nos também em Follow

Comentários

Os comentários deste artigo estão fechados.